Notícias

27/06/2022

ECLOP - Maria Inês Redher traz informações sobre Ciência Forense

Na última quinta (23) tivemos mais uma edição do Encontro Claretiano de Orientação Profissional (ECLOP). Dessa vez, contamos com a presença da Fonoaudióloga Clínica e Forense Maria Inês Redher.

Ela que é especialista em Voz, Mestre e Doutora pela UNIFESP/EPM e coordenadora Apri/ em Identificação Humana Forense CEFAC trouxe informações e toda sua experiência na Ciência Forense, área que atua como fonoaudióloga na identificação de indivíduos através da voz e face.

Maria Inês em um primeiro momento definiu o que é  a Ciência Forense - uma atividade científica legítima e multidisciplinar, que com base em conhecimentos científicos e técnicos, colabora com assuntos legais. Também apontou as três possíveis opções de ingresso como perito: através de concurso que trabalham na área de criminologia, perito judicial ou assistente técnico.

Esclareceu que um perito deve fornecer informações objetivas sobre as quais decisões confiáveis, baseadas em evidências, possam ser tomadas. Citou como exemplo, a  situação na qual um biólogo forense seja o responsável por produzir um laudo de análise de sangue que será encaminhado ao juiz.

Maria Inês indicou aos alunos interessados na área que cursem Graduação e, após isso, realizem curso de especialização na área.

Ela também citou, por exemplo, casos famosos como dos Nardoni, Jihadi, Henry Borel. Maria Inês  também lembrou da evolução da área, que a cada dia conta com avanços científicos e tecnológicos, um avanço diário.

Particularmente em sua área de atuação, Maria Inês comentou que o uso de tecnologias, como o celular, aumentaram o número de solicitações de laudo. E que, para garantir um laudo sem erro, ela e os demais peritos costumam trabalhar em duplas. Também apresentou o Método Hemorogas, conhecido como 6W, no qual os cientistas forenses se guiam.

Curiosidades como a leitura labial surgiram, especialmente dentro dos estádios que não tem gravação de áudio. Maria Inês reforçou que é necessário que a pessoa esteja de frente para câmera, que a imagem seja de boa qualidade de imagem e que, dentro do contexto solicitado, é possível identificar uma palavra ou frase.

Assim como em outras profissões, Maria Inês reforçou a necessidade de qualificação, reciclagem e continuidade de estudos é constante. Quando questionada sobre um conselho aos alunos que buscam essa área, Maria Inês orientou aos estudantes que tivessem “foco, disciplina e que procurassem estudos em instituições sérias para garantir uma boa qualificação”.