Taguatinga / DF

(61) 3451-9300

Notícias

23/01/2019

Base Nacional Comum Curricular, o Claretiano já está pronto para essa mudança

O que é a BNCC?

 

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento que estabelece parâmetros para definir o conjunto de aprendizagens essenciais que todos os alunos devem desenvolver ao longo da Educação Básica, para que tenham assegurados seus direitos de aprendizagem e desenvolvimento, conforme os preceitos do Plano Nacional de Educação (PNE). Ou seja, a BNCC tem o objetivo de nortear o que é ensinado nas escolas de todo o Brasil, do ensino infantil ao ensino médio. Referência nacional para a formulação dos currículos e das propostas pedagógicas das redes escolares dos Estados e Municípios, a BNCC contribui também para o alinhamento de políticas e ações no que se refere à formação e avaliação de professores, à elaboração de conteúdos educacionais e aos critérios de infraestrutura adequada para o pleno desenvolvimento da educação. O que se espera é que a BNCC seja balizadora da qualidade da educação no país, garantindo um patamar comum de aprendizagens a todos os estudantes.

 

Competências Gerais

 

Na BNCC, competência é definida como a mobilização de conhecimentos, habilidades, atitudes e valores para resolver demandas complexas da vida cotidiana, do pleno exercício da cidadania e do mundo do trabalho. A educação deve afirmar valores e estimular ações que contribuam para a transformação da sociedade, tornando-a mais humana, socialmente justa e, também, voltada para a preservação da natureza. As competências gerais da BNCC, apresentadas a seguir, inter-relacionam-se e desdobram-se para as três etapas da Educação Básica (Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio), articulando-se na construção de conhecimentos, no desenvolvimento de habilidades e na formação de atitudes e valores.

 

Fundamentos pedagógicos

 

A BNCC orienta que as decisões pedagógicas devem estar voltadas para o desenvolvimento de competências. O conceito de competência marca as discussões pedagógicas e sociais das últimas décadas e pode ser compreendido no texto da LDB, as Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, especialmente quando se estabelecem as finalidades gerais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio (Artigos 32 e 35). Desde as últimas décadas do século XX e ao longo deste início do século XXI, o foco no desenvolvimento de competências tem orientado a maioria dos Estados e Municípios brasileiros na construção de seus currículos. Sob esta perspectiva, a BNCC indica o que os alunos devem saber e saber fazer, considerando aí estabelecer conhecimentos, habilidades, atitudes e valores para resolver demandas complexas da vida cotidiana, do pleno exercício da cidadania e do mundo do trabalho. A sociedade contemporânea impõe um olhar inovador e inclusivo a questões centrais do processo educativo: o que aprender, para que aprender, como ensinar, como promover redes de aprendizagem colaborativa e como avaliar o aprendizado. Nesse novo cenário mundial, reconhecer-se em seu contexto histórico e cultural, comunicar-se, ser criativo, analítico-crítico, participativo, aberto ao novo, colaborativo, resiliente, produtivo e responsável requer muito mais do que o acúmulo de informações. Requer o desenvolvimento de competências para aprender a aprender, saber lidar com a informação cada vez mais disponível, atuar com discernimento e responsabilidade nos contextos das culturas digitais, aplicar conhecimentos para resolver problemas, ter autonomia para tomar decisões, ser proativo para identificar os dados de uma situação e buscar soluções, conviver e aprender com as diferenças e as diversidades. Nesse contexto, a BNCC afirma, de maneira explícita, o seu compromisso com a educação integral, reconhecendo que a Educação Básica deve visar à formação e ao desenvolvimento humano global, o que implica compreender a complexidade e a não linearidade desse desenvolvimento, rompendo com visões reducionistas que privilegiam ora a dimensão intelectual e cognitiva, ora a dimensão afetiva. E mais, assume uma visão plural, singular e integral da criança, do adolescente, do jovem e do adulto – considerando-os como sujeitos de aprendizagem – para promover uma educação voltada ao seu acolhimento, reconhecimento e desenvolvimento pleno, nas suas singularidades e diversidades. O conceito de educação integral com o qual a BNCC está comprometida se refere à construção de processos educativos que promovam aprendizagens sintonizadas com as necessidades, as possibilidades e os interesses dos estudantes e, também, com os desafios da sociedade contemporânea. Isso supõe considerar as diferentes infâncias e juventudes, as diversas culturas juvenis e seu potencial de criar novas formas de existir. Assim, o documento propõe a superação da fragmentação disciplinar do conhecimento, o estímulo à sua aplicação na vida real, a importância do contexto para dar sentido ao que se aprende e o protagonismo do estudante em sua aprendizagem e na construção de seu projeto de vida.

 

Mais informações, acesse: http://anglosolucaoeducacional.com.br.